quinta-feira, 22 de abril de 2010

Palavras da escritora Yvette Centeno a propósito dos números de Verão e Inverno da revista de poesia Brilho no Escuro

blog da escritora YVETTE CENTENO
Brilho no Escuro
Outras ocupações me deixaram um pouco afastada do blog, mas não há coincidências e aqui regresso pela mão amiga de quem ama a literatura e arte e me envia outros números da revista Brilho no Escuro:agradeço a Isabel de Sá, a Graça Martins e ao João Borges, que me anuncia a preparação de um n.4.
Estejam atentos.
Podemos agora ver melhor como de um onirismo sarcástico, fazendo evocar alguns dos poemas e das collagens de Jacques Prévert bem como as leituras apaixonadas da obra de Comte Lautréamont - a grande Bíblia do surrealismo em França e entre nós - as criadoras partiram para a expressão mais intensa, quem sabe se mais dolorosa, dos atamentos da alma de que as cordas e os nós são a marca visível e quantas vezes sangrenta.
Tantos e tantos anos passados, e as almas sangram na mesma. Podemos dizer, como Verlaine "em diálogo" com Rimbaud:
Chora-se no meu coração
como chove na cidade
Verlaine chorava o amor perdido de Rimbaud, nós choramos hoje a esperança traída, o horizonte fechado, e só na arte temos refúgio, nos criadores que continuam presentes: o seu dizer torna-se o único dizer possível, na pintura, no poema, na ilustração, neste caso concreto destas revistas de fulgurante brilho..
Por um lado são eles que nos apontam novamente o caminho, como fizeram outrora (nos anos sessenta, os anos da "verde" esperança dos Verdes Anos) .
João Borges, partindo de um título de Agustina Bessa Luís, oferece um ciclo de poemas:
Canção Diante De Uma Porta Fechada
...
Diante de uma porta fechada, estou sentado e canto. Para a chuva, para o que está do outro lado.
...
Este verso é uma entrada em diálogo com o espaço de um quarto, de uma cidade onde também chove, como na de Verlaine, uma entrada em diálogo com a leitura íntima de uma autora, uma obra (foi de início Agustina) é de seguida Irene Lisboa, a minuciosa, a ciosa da sua escrita, a tão esquecida apesar de tão inscrita no mundo. Um mundo fechado.
Interessante é ver como os poetas, através das suas obras, falam uns com os outros, como no tempo o diálogo pode não ter interrupção, é uma questão de acaso e de momento.
Mas:
O livro tem de estar ali, tem de estar disponível, como a pintura tem de ter direito à sua legítima parede, a ilustração à folha que já chama por ela, clama desesperadamente por ela, para ser um tempo que se torna espaço, como em Parzival acontece ao reino do Graal, um tempo mágico que se torna actual, presente, só ali, para cada um e para todos, para sempre.
Não me esqueçam, pinta Graça Martins na imagem que escolhi para o post, e eu digo com ela, não a esqueçam, nem a ela nem a nenhum destes nossos compagnons de route!

quinta-feira, 25 de março de 2010

Postagem de um blog

Palavras repletas de sabedoria, da escritora Yvette Centeno, sobre a revista de poesia Brilho no Escuro nº2 - no seu blog Literatura e Arte

http://literaturaearte.blogspot.com

Palavras de Yvette Centeno

Brilho no Escuro:
Há dias assim, dias felizes em que o acaso de uma amizade nos permite o reencontro com artistas que acompanhamos outrora, apreciando a sua inspiração, a independência e originalidade das suas vozes ( obras ) que o tempo, o eterno corruptor, não corrompeu.
Recebo esta revista ( e lamento não ter visto o n.1 e ter vindo a saber que talvez não haja n.3 ) e descubro a mão de Isabel de Sá na ilustração, e poemas seus que me remetem para as edições e ETC. onde desde sempre os marginais, os alheios, os invisíveis dos discursos da moda podiam encontrar um espaço próprio, livre, sem imposições de qualquer espécie; ali se convivia com alguns dos grandes textos que a editora dava a conhecer em traduções pioneiras; ali todos se sentiam bem.
Descubro ainda o Paulo da Costa Domingos, com outro poema, que leio como quem não vê um amigo de longa data, nunca esquecido.
E finalmente uma voz que é jovem, no meio desses mestres da poesia de sempre, João Borges, que espero poder acompanhar por algum tempo, o tempo que me for concedido.
Esta é uma revista de arte, em que poesia e ilustração mutuamente se iluminam, daí o brilho no escuro, a luz no coração vibrante das palavras.
E é um desafio: o da interrogação, como a da Alice no País das Maravilhas, que se procura a si mesma para entender quem é e o que é o mundo à sua volta.
Uma interrogação a que só o artista com a sua arte pode responder, com um Eu Sou - "eu sou", como aquele que exclama, do fundo do universo "eu sou aquele que é ", eu sou o Ser-em-si, o Absoluto, a Essência, o eterno e indestrutível Fundamento da existência que, no seu poema, Isabel de Sá define como Princípio da Realidade. Uma realidade insubmissa.
Se a arte
não for insubmissa
se não permanecer
desobediente
e não escapar ao controlo
é o quê ?
Se a arte
não for insurrecta
se não permanecer
pedra viva escaldante
é o quê ?
a arte se não disser Eu Sou ?

Dizer eu sou, significando a essência do que se é, neste caso ( como noutros) artesão da dissidência, é cada vez mais difícil nos dias que correm.
E decidir-se a editar uma revista de arte que será de poucos, devendo ser de muitos, é nestes dias que correm outro acto de insubmissão.
Mas é nesta insubmissão que se respira, e é dado a ver um coração que bate.
Postagem de Yvette Centeno, blog Literatura e Arte http://literaturaearte.blogspot.com/

BRILHO NO ESCURO Nº3 - Capa


BRILHO NO ESCURO Nº3 - Contracapa


Abertura


Manuel de Freitas - Páginas 1 e 2



João Borges - Páginas 3 e 4


Página 4


José Luís Peixoto - Páginas 5, 6 e 7


Página 6


Nuno Brito - Páginas 7, 8, 9 e 10


Página 8


Página 9


Página 10


Ana Luisa Amaral - Páginas 11, 12 e 13


página 12


Página 13


Página 14


Isabel de Sá - Páginas 15 e 16


Página 16


Interior/Contracapa - BRILHO NO ESCURO nº3


quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Alguns dos elementos envolvidos no lançamento da revista de poesia nº3 Brilho no Escuro - Dezembro

Jantar no Solar Moinho de Vento - Porto

Isaque Ferreira, Isabel de Sá, Clara Barbosa, João Borges, Vasco Nabais.

















quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

MAUS HÁBITOS - PORTO - LANÇAMENTO DA REVISTA DE POESIA Nº3 - BRILHO NO ESCURO




Maus Hábitos - Porto
Na foto - Isabel de Sá, Ana Luisa Amaral e Isaque Ferreira








APRESENTAÇÃO DA REVISTA BRILHO NO ESCURO POR ISABEL DE SÁ

Estamos aqui para vos apresentar o terceiro número da revista BRILHO NO ESCURO. Desta vez, a ABERTURA integra um poema de Camilo Pessanha que, além de outros assuntos, refere o Inverno. Portanto, a estação do ano em que este número se insere.
Nas páginas seguintes, temos os autores contemporâneos - sem imposição temática. Poetas que amàvelmente cederam os seus poemas. E, temos um público ao qual agradecemos a gentileza de nos ouvir.Segue-se, então, uma nota biográfica de cada autor.
MANUEL DE FREITAS
Nasceu em 1972 em Santarém. É licenciado em Línguas e Literaturas Modernas pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Publicou vários livros de poesia e ensaio. O seu 1ºlivro de poesia TODOS CONTENTES E EU TAMBÉM, edição Campo das Letras , 2000.
Autor de uma poesia implacavelmente lúcida, onde impera a ruína. A plena consciência da miserável condição humana.
JOÃO BORGES
Nasceu em 1990 em Braga. É estudante de Arquitectura e o nosso mais jovem colaborador.
Trabalha na organização do primeiro livro.
Os seus poemas falam-nos, essencialmente, da dor do pensamento, o desconforto de viver na constatação de que o percurso da vida não deixa de nos surpreender com os seus espinhos.
A força dos seus versos é, não raras vezes, tocante. Violentos poemas de amor são já a afirmação de uma voz singular.
JOSÉ LUÍS PEIXOTO
Nasceu em 1974 em Galveias - Portalegre. É licenciado em Línguas e Literaturas Modernas. Autor famoso que exerce a profissão de escritor. É uma das nossas estrelas mediáticas na Literatura.
O seu 1ºlivro de poesia A CRIANÇA EM RUÍNAS, Quasi Edições, 2001. Logo nos primeiros versos, é comunicativo, acessível ao leitor e deixa-o numa espécie de estado de graça - para o bem e para o mal.
NUNO BRITO
Nasceu em 1981, no Porto. É licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto. O seu 1ºlivro DELÍRIO HÚNGARO, edições Edita-me, 2009.
Os poemas deste autor integram vasta informação nas áreas científica, social, política e literária. Nos seus versos frequentemente nos apercebemos da dissolução do poeta no mundo que o rodeia. Há uma sensibilidade maleável: o autor, a personagem do poeta, é o centro e não é esse centro. É também o labirinto onde se encontra um ser simbiótico, fusional, estranhamente feliz que nos conduz à sua originalidade.
ANA LUISA AMARAL
Nasceu em 1956, em Lisboa. É professora na Faculdade de Letras da Universidade do Porto.
Autora de uma obra reconhecida, reuniu num único volume, em 2005, nas Quasi Edições todos os seus poemas até à data da edição, com o título POESIA REUNIDA.
O seu 1ºtítulo MINHA SENHORA DE QUÊ? data de 1990, edição Fora do Texto.
ISABEL DE SÁ
Nasceu em 1951 em Esmoriz. É licenciada em Artes Plásticas/Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto.
Autora de uma obra reconhecida reuniu num único volume, REPETIR O POEMA, Quasi Edições, 2005, todos os poemas.
O seu 1ºlivro sob o título ESQUIZO FRENIA, numa edição & etc em 1979.
Paralelamente exerce a actividade de pintora. A última exposição teve lugar no CCB (Centro Cultural Bombarda - Galeria Artes Solar St. António, Porto) em 2008.
GRAÇA MARTINS
A quem devemos a existência da revista, o objecto, nasceu em 1952 em Vila do Conde. É licenciada em Arte Gráfica/Design pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Tem vasta colaboração gráfica em livros e revistas de poesia. Como pintora realiza exposições desde 1977. A última teve lugar numa galeria da famosa Rua de Miguel Bombarda, no Porto, em 2006.
Artista reconhecida e representada no acervo do Museu de Arte Contemporânea de Serralves.